2014, parte 1: o ano em que o limão não me pareceu azedo

– Eu só preciso buscar um novo sentido para minha vida.

Voltemos ao tempo: 2013 foi desastroso. Em todos os âmbitos e possibilidades. Repetir a frase acima, como mantra, era a solução para tantos problemas ao entrar o ano novo. O que precisava, mesmo e sem dúvidas, era de tempo. Ou de ficar sozinho para compreender algumas costuras do mundo! O médico dizia que era urgente tomar boas doses de mudança. Não quis receitar os remédios tradicionais. Eu já andava cabisbaixo e sem perspectiva para viver. Queria me entregar feito “um soldado cansado e famito”. E outra, não queria mais lutar. Me irritava fácil. Era a personificação de uma chaleira, por dentro fervendo… e por fora, explodindo! Belo Horizonte já não tinha mais o brilho de como enxergava a cidade o recém aluno de jornalismo da Católica. Estava em um estado lastimável. A Serra do Curral, aquela dos sonhos de uma infância próxima, sufocava. BH não era mais bondosa. Estava declarado: estamos em guerra! Eu e a cidade, a cidade e eu – e toda sua falta de educação, o trânsito, suas mazelas. Preferi o lado sombrio. Não podia mais. Não queria mais. Só me restava chorar. E implorar, como se não fosse responsável por meu destino, para que alguém me resgatasse disso tudo.

(É hora de refazenda, de plantar o trigo, agora não pergunto mais pra onde vai dar a estrada)

2014 foi de intensos. Do radical ao leve. Das mais dolorosas e boas emoções. Foi retomada de fôlego e perspectivas. O ano em que o limão não me pareceu azedo. Dos tempos em que as caretas foram substituídas por sorissos… daqueles descompromissados, cheios de dentes e expressividade! Sem espaços para mentiras e ilusões. 2014 foi par. 12 meses de descobertas.

De merecer o seu olhar.
De merecer o seu olhar.

One thought on “2014, parte 1: o ano em que o limão não me pareceu azedo

  1. NeLyzboa 11/12/2014 / 7:18

    É menino! Aproveite as festas de fim de ano e use todos esses limões em muitas, muitas caipirinhas pra brindar o Ano Novo, que vem aí carregadinho… De lima, laranja e limão! Muitos pés. Muitos frutos. Um ou outro, nem tão bão assim! Và levando; essa é a graça de viver.
    E com graça, “sem perder a ternura, jamais!” 😉
    “Eu vejo 💐🌸🌷🌺🌻🌹🌾 em você”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s