O passar do tempo.

Só por algumas vezes eu permito a me observar e encontrar alguma beleza na minha própria imagem. É que quando achamos que temos alguma, aplica-se a possibilidade de ser um tanto adepto do narcisismo. Não é o meu ideal. Mas é que, vez ou outra, gosto de ficar admirando como o tempo me moldou e vai me moldando. As primeiras rugas, as outras marcas de expressão, o cabelo torto com redemoinho. A visão afetada pelo astigmatismo e os óculos um tanto desajeitados na face. É essa beleza que me atrai, conquistada pelo passar dos anos e com muito mérito.

Vejo e sinto os fios: um reparo pequeno, tosado com grandes cuidados… a diferença é grande: menos costeleta, menos cabelo na testa. Resultado? Visagismo capaz de mudar até mesmo a fisionomia. Saudades dos cabelos encaracolados. De ter permissão para fazer quantas voltas quiser e brilhar ao sol. Hoje, estão padronizados para uma vida extremamente comercial.

Eu gosto do jeito que os anos passam para mim… São generosos.

Da vontade pulsante de ainda permanecer jovem e amadurecer apenas o necessário. Desse jeito estabanado de ser. Da inconstância. É assim: descobrir mais um pedaço da identidade a cada ano. É prazeroso.

Trabalhado pelo tempo, em P&B. Assim se vão os anos, os amigos e os planos.
Trabalhado pelo tempo, em P&B. Assim se vão os anos, os amigos e os planos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s