Fim do expediente. Começo da primavera.

(Noite de quinta-feira, depois do expediente, pós-horário de pico, na volta para casa.) Não precisa nem de relógio. Quando o frio aperta e a lua se completa entre o pirulito e o antigo prédio do BEMGE, no centro de Belo Horizonte, Dona Aparecida se recolhe. O banco, o guarda-sol e as memórias de mais um dia de trabalho cabem direitinho no carrinho de pipoca. Para não perder o produto, fez promoção e tentou ganhar o cliente pela necessidade de enganar a fome. O cheiro de amendoim subiu em direção às janelas dos edifícios. Ela então pitou o último cigarro de palha… Bem calma, olhando ao redor. Com um pouco de esforço levou para um lugar especial o que garante o sustento da casa, no Aglomerado da Serra. Observei tudo. Aprendi muito com esta senhora de cabelos loiros e pele de maracujá maduro.

(O termômetro eletrônico marcava 15º graus. Muito adequado para observar mais e mais!) À espera, antes de o ônibus chegar, recordei memórias, achados de seis anos. Eu era apenas um estudante do colegial e descia quase todos os dias a Rua da Bahia para chegar a Praça Sete. Um dia me falaram que na vida tudo é impermanente. Mas hoje discordei. Não! Cheguei a esta conclusão, convicto. Ainda hoje fiz exatamente o mesmo caminho de 2005. Agora, o contexto é diferente: sou assalariado e esse tinha sido mais um prazeroso dia no trabalho. Não hesitei, cumprimentei: “Boa noite, memórias!” Isso em pleno cruzamento da Amazonas com Afonso Pena. Impressionante! Elas ainda continuavam lá, do jeito que tinha deixado quando completava 17 anos. Os prédios, as lojas, o corre-corre da cidade, a beleza das luzes, as árvores, os sons. (A vida pulsa nesse centro de possibilidades).

(Ainda analisando esse meu dia, continuo no ponto de ônibus, com o desejo de voltar à minha querida casa depois de uma semana e quatro dias fora) Ao olhar em direção à Rua Rio de Janeiro, percebi que o microfone tem o poder de celebrizar quem tem o passaporte para segurá-lo. Mais cedo, ainda hoje, entrevistei populares por lá. As pessoas paravam, contavam causos e “segredos” de suas vidas. Algumas confessavam, “já te vi na TV”. Outras armavam um verdadeiro circo para se verem na tela. Mas de noite, quando saio do trabalho e volto para casa, sou mais um anônimo. No ponto de ônibus, às nove da noite, ninguém me reconhece, ninguém desconfia que apareço na TV. Por dentro, dou gargalhadas. Essa última é a realidade que me agrada. As pessoas passam. Nem sequer ousam saber que agora são personagens de minhas crônicas secretas…

(O ônibus chega.) Nada mudou: ainda tenho dificuldade para ler o letreiro luminoso que diz “1509 / Tupi.” Sento-me ao lado de Patrícia. Ela não me reconheceu. Estudou comigo na quarta e quinta séries (1998 – 1999). Talvez só eu – dentro daquele ônibus – sabia que ela tinha um apetite insaciável quando o assunto era namorado. E também, ‘também’ com certeza, só eu sabia que ela já colocou pó de giz no copo da professora. Uma peraltice daquelas, que hoje é insignificante. Mas, na época, significou muito: quase foi pega pela Senhora Conceição que, para variar, chegou de supetão na sala de aula.

(O 1509 acelera, acelera. Meu coração também: quase na casa Mirante Feliz) O ônibus vence a Rua Jacuí. Quando chega a Av. Cristiano Machado, observo que o letreiro do Hotel Ouro Minas já não é tão iluminado como antes. Por falar nisso, há seis anos, nessa região dos Bairros Ipiranga e União, a Avenida tinha mais árvores. Hoje tem mais passarelas e concreto em formato de viaduto. Achei feio. Por salvação, um fusca emparelha com o 1509. Fusca azul, bem conservado, fazendo 60 por hora. Um senhor barbudo é quem dirige. E nem sei o motivo, mas tive a impressão – por um momento – de que serei como este senhor sereno quando estiver com 70. Gostei.

(Casa Mirante Feliz) Gostei ainda mais de ser recebido em casa. Pai, mãe, irmão. Ganhei cheiros e abraços. Como senti falta do meu porto seguro. Revi Belo Horizonte, agora da minha varanda. Lembrei de meus amigos. Agradeci…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s