1º Mostra de Arte e Tecnologia traz interação virtual ao público

Na 1º Mostra de Arte e Tecnologia do Plug Minas, estudantes de uma escola estadual de Belo Horizonte foram convidados a interagirem com as instalações. E elas foram muitas e diversificadas: O sequenciador musical é controlado por toques. O dispositivo de realidade aumentada combina elementos virtuais com o ambiente real e traz objetos 3D para os espectadores. A WebCam dá vida a um jogo interativo. Os volúmens, que se parecem com cubos mágicos, funcionam de acordo com a vibração da voz – e a partir do som gerado, tudo é transformado em projeções. Todas essas novidades virtuais dentro de uma estrutura de infláveis. Um verdadeiro espaço cibernético.

Segundo o Secretário de Estado da Cultura, que esteve presente na inauguração da mostra, o objetivo é  investir na transformação dos jovens que participam das oficinas do Plug Minas, utilizando para isso, educação e o mundo digital.

A mostra fica até o dia 2 de outubro, na sede do Plug Minas – Rua Santo Agostinho, 1271 – Horto. A entrada é gratuita.

Anúncios

retrato – sander kelsen

não serei o poeta de um mundo caduco. também não cantarei o mundo futuro. o tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente. ‘um cara que queria voar. foi perto do sol e se esborrachou. mas arriscou’. pode ser que sim. pode ser que não. eu nunca escolhi o que eu ia fazer na vida. sempre fui o escolhido. mas sou meu e não de quem quiser. queria ser motorista de ônibus. hoje sou multi funções. sei onde quero chegar e me preparo para isso. sou geminiano de 1988, signo da comunicação. mas era tímido. já não sinto tanta falta dos tempos de colégio. são ‘lacunas’ que foram preenchidas com o cotidiano. aprendi, na marra, que só é lutador quem sabe lutar consigo mesmo. quando perguntam sobre minhas qualidades, me enrolo. elas são muitas (modéstia). quase sempre coloco uma não-qualidade como qualidade. me contradigo. acho normal isso. não abro mão de falar bobagens. seriedade o tempo todo cansa. coleciono pequenas proezas. aos 19 anos fiz alguns leitores se emocionarem com uma crônica que escrevi. aos 18, viajei para o norte de minas para ser rondonista. aos 11 anos, consegui chegar ao final de mário world do super nintendo, em uma televisão sharp de 1990. conclusão: quando você é jovem, é uma lousa apagada. ai quando envelhece… o que você fez de si ta aqui ó, na cara. gosto de conviver com pessoas, de vitalidade, de beber cachaça, de namorar no inverno, do meu nome, de lembrar de coisas que ninguém viu, de belo horizonte, de minas gerais. não gosto de remédios e muito menos hospital. acredito que tudo é energia: eu, você, ele e ela. prefiro não estudar sob pressão. aprendizado é coisa séria e gosto de ler os livros calmamente. às vezes, o conforto nos deixa burro e corrupto. muito burro e corrupto. acredito que o problema do brasil está na raiz. as pessoas devem ser educadas, não instruídas. educadas, em casa. quando emoção sai do coração, vira bandeira, vira partido… (risos) nunca deu certo. eu tenho certeza que um dia tudo vai mudar. não para mim. não para você. o ser humano está aprendendo. agora, mais assertivo. estou aprendendo a dançar. gosto de tango, não tenho problemas em assumir isso. sou seletivo, exigente. priorizo a qualidade e o conteúdo. se o santo não bateu com algo, não adianta tentar. longevidade? não é defeito viver bastante. só não gostaria de ficar ultrapassado. gosto da minha vitalidade. estive pensando outro dia que o brasil tem uma possibilidade de integração que poucos têm. qual é a infinita possibilidade real? ai eu percebi: aqui judeu se dá com árabe e vão juntos ao centro de macumba. não é uma maravilha? as diferenças enriquecem. elas estão ai para contribuir e não nos separar. eu penso outra coisa: a nossa única saída é virar gente. e virar gente é exercitar o amor.