Balanço das eleições 2008 em Belo Horizonte

Calor no domingo em Belo Horizonte.

A democracia se fez mais uma vez. Mais um capítulo da história que é escrito. Foram muitos debates – Escolas, universidades, emissoras de rádio e tv, jornais impressos… No segundo turno quem saiu ganhando foi o eleitor. 

Na nova etapa do voto, menos sujeira. Alguns santinhos no chão. Mas eram poucos em comparação com o primeiro turno. Em muitos bares, gente ainda bebendo cerveja sem a preocupação com a lei. De onde vêm a consciência?

Belo Horizonte amanheceu já com os primeiros eleitores. 4h30 da manhã e madrugada as urnas foram levadas. E teve jovem de 16 anos votando. A cidade das alterosas respira política: e ótimo!

Márcio Lacerda e Leonardo Quintão. Quem vai levar?

Na Faculdade de Comunicação e Artes da PUC Minas São Gabriel, opostos:

Uma aluna apoiando Márcio. Um aluno apoiando Leonardo Quintão. E foi trocas de “farpas” por todo período eleitoral. 

No site do TRE-MG, uma declaração:

 

Eleitoras e eleitores de Belo Horizonte, Contagem, Juiz de Fora e Montes Claros,  

A eleição deve ser considerada como ato de amor ao próximo, como oportunidade de renovação espiritual. Da mesma forma que cuidamos de nossos filhos, com prazer iremos contribuir para a felicidade daqueles que compõem a família ampliada que é a cidade. Afinal, família é ato de servir.  

Por acaso algum de nós irá abandonar as pessoas queridas e o que nos pertence para protestar contra as dificuldades?  

     Convido-os a escolher neste segundo turno de eleição quem melhor nos pareça para administrar a cidade. Afirmemos o nosso poder no único momento em que somos soberanos.  Façamos a nossa parte para cumprir o bonito sonho de que o povo pode ser protagonista de sua História. Não sejamos omissos. Ao exemplo de Cristo quando escolheu os seus apóstolos.  

Que tenhamos um dia em que a esperança cresça no nosso coração!

 

Desembargador Almeida Melo

Presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais

FONTE: http://www.tre-mg.gov.br/noticias/mensagem_presidente.htm

 

 

Revolução da cobertura eleitoral na Internet. No portal UAI, Benny Cohen e Bertha Makaaroun, ao vivo, pelo mundo virtual.

Em Minas, Montes Claros, Contagem e Juiz de Fora também votavam. Na Tv, discutia-se as pesquisas boca de urna.   

No youtube, um vídeo foi sucesso entre os estudantes acadêmicos.

No site Novojornal.net matérias sobre Márcio Lacerda.

 

 

Divulgação 

Depois de negar ser mensaleiro, Lacerda convoca Duda Mendonça e Marcos Coimbra, do jornal Estado de Minas, que, além do mensalão, foram responsáveis pela campanha de Collor. Valor pago será de R$ 10 milhões para o jornal e de R$ 15 milhões para Duda

 

 

 

E já visando a próxima eleição, o TRE fala:

 

  • Não deixe de votar;
  • Vote de acordo com a sua opinião;
  • Saiba que seu voto pode mudar seu futuro, o futuro da sua família e o da sua comunidade;
  • Discuta sempre com a sua família, com seus amigos e com seus colegas de trabalho as propostas dos candidatos;
  • Nunca negocie seu voto, sua consciência e seu futuro em troca de promessas;
  • Vote sempre nas melhores propostas e idéias;
  • Procure conhecer as verdadeiras intenções dos candidatos;
  • Não vote influenciado pelas pesquisas;
  • O voto é um direito seu de escolher quem você deseja para governar sua cidade, o seu Estado ou o seu País;
  • Esteja sempre em dia com a Justiça Eleitoral
E quero saber sua opinião, 
.
.
Encerra-se aqui as eleições. Cabe a nós a partir de agora, cobrar… cobrar por todas as propostas apresentadas.
Anúncios

Alegria, alegria

Eu gosto da TV “antiga”. O que muita gente da minha idade não conhece. não tem interesse de conhecer. não vai conhecer. Mas eu espero que conheçam!

Por que não, por que não…

 

Caminhando contra o vento
Sem lenço e sem documento
No sol de quase dezembro
Eu vou…

O sol se reparte em crimes
Espaçonaves, guerrilhas
Em cardinales bonitas
Eu vou…

Em caras de presidentes
Em grandes beijos de amor
Em dentes, pernas, bandeiras
Bomba e Brigitte Bardot…

O sol nas bancas de revista
Me enche de alegria e preguiça
Quem lê tanta notícia
Eu vou…

Por entre fotos e nomes
Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos
Eu vou
Por que não, por que não…

Ela pensa em casamento
E eu nunca mais fui à escola
Sem lenço e sem documento,
Eu vou…

Eu tomo uma coca-cola
Ela pensa em casamento
E uma canção me consola
Eu vou…

Por entre fotos e nomes
Sem livros e sem fuzil
Sem fome, sem telefone
No coração do Brasil…

Ela nem sabe até pensei
Em cantar na televisão
O sol é tão bonito
Eu vou…

Sem lenço, sem documento
Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou…

Por que não, por que não…
Por que não, por que não…
Por que não, por que não…
Por que não, por que não…

Crise mundial: preço de produtos importados de varejo já sofrem com alta

Sugestão de pauta

Já é tendência e tradição: Todo brasileiro, na hora das compras, prefere as lojas de varejo – também conhecidas como lojas de 1,99. Brinquedos, artigos para a casa, enfeites, acessórios. É de tudo um pouco. Mas mesmo as tradicionais lojas já são “afetadas” pela crise. Os produtos importados (que em sua maioria vêm da China) já sofrem com o aumento de 20 a 30% no preço. 

Em Belo Horizonte tem empresário que já garantiu o estoque de produtos importados para o natal. Muitos já combinaram o preço desses artigos com o distribuidor desde o início do ano.

“A crise não foi esperada por muitos e, se o distribuidor não quiser cumprir o preço combinado, não vamos comprar”, segundo uma fonte minha. 

O cliente ainda não tem percebido o aumento do preço. “A solução é buscar por promoções”.

Telejornalismo Livre.

Aproveitando o dia de folga, pesquei alguns programas jornalísticos no pré, durante e pós almoço. Um deles é o Balanço Geral, da Tv Record Minas. Que me desculpem os teóricos do telejornalismo brasileiro que defendem o formalismo e essa coisa dura para a Tv. Balanço Geral é espetacular! Muito bom! Mauro Tramonte comanda a atração, digamos, bem peculiar, popular e humorada. Uma mistura de notícias regionais e até nacionais.

Em um dos quadros do Balanço – a “Praça do povo” – um repórter na Praça Sete, em Belo Horizonte. O desafio? Trazer um galo em plena tarde de segunda-feira. O prêmio? 100 reais! O primeiro Galo, Barretinho. O segundo Rebeldão. Juntos, os donos disputaram a nota de 100 reais.

Balanço já é presente no cotidiano dos Belo-horizontinos. Já ouvi muita história do programa por aí. “Outro dia, para falar do apagão, entraram ao vivo com uma vela no estúdio e depois acenderam a luz”; “Ah, já levaram até um porco no Balanço!”; “Você viu? Colocaram uma geladeira no estúdio”.

Um novo estilo de Jornalismo

Telejornalismo livre. Pronto! Descobri uma denominação para o Balanço. Entende-se por telejornalismo livre, o uso da criatividade aliado ao jornalismo, com linguagem popular. Um formato que atende até as classes mais altas, garanto. Não só as populares.

Enquanto isso…

Pesquei também o Jornal da Alterosa. Benny Cohen e Laura Lima juntos, apresentando o JA, de novo. Gostei do formato do Jornal, onde não só tem prioridade o jornalismo de bancada. O estúdio é muito bem explorado!

Na Rede Minas, Jornal Visual, inciativa para os telespectadores que são surdos. Apresentado por minha colega de Faculdade, Rosane Lucas, é um jornal pioneiro – podemos dizer assim – em Minas. Inclusão é para todos!

E não podia deixar de prestigiar o Jornal 15 Minutos, da PUC TV / Tv Horizonte, no qual sou repórter e aprendi os passos básicos de telejornalismo. O 15′ já formou para o mercado muito jornalista bom de serviço que vemos hoje na imprensa de Minas e do Brasil. Na linha editorial, serviço à comunidade e cultura mineira!

O movimento no domingo em Belo Horizonte: Praça da Liberdade, te quiero!

Um jovem casal de Jornalistas em BH

– Dirigir, aos domingos, em Belo Horizonte, é outra coisa.

– Verdade, não parece que é uma cidade grande. Falando nisso, você viu a linha verde na Cristiano Machado? Parece que vai ficar um pouco melhor. Eu espero.

– Precisamos sim! O trânsito tá caótico ultimamente. Mas vamos mudar de assunto!

– A grande desvantagem de dois Jornalistas namorarem é essa. A discussão sobre os problemas da cidade sempre vão estar presentes. Hmm… Vai parar onde? Na Praça da Liberdade mesmo?

– Não sei. Acho que vai tá lotado. Não vou tentar nem ir lá. Tem copa de natação aqui no Minas Tênis. Vou parar por aqui mesmo.

– O estacionamento é 10 reais. Flanelinhas no fim de semana são constantes por aqui. É triste!

– Hmmm. Hoje tá um dia tão bonito! Legal pra ir em um clube, ou algo do tipo.

Um passeio inusitado, às 10 horas, na Praça da Liberdade
Um passeio inusitado, às 10 horas, na Praça da Liberdade

– Não sei, hoje tá bom é pra namorar mesmo, não? Colocar o papo em dia. Talvez encontrar os amigos. Re-Perceber a arquitetura de Belo Horizonte.

– Que quantidade de cachorros de um lado para o outro! É o calor que faz as pessoas andarem por essa hora aqui com eles! Só pode. Talvez seja também a programação na TV do domingo. Tédio. Tédio. Tédio! A propósito, você tinha falado da arquitetura, né?

Some buildings
Some buildings

– By the way, esse moço sempre tá por aqui. Sempre com sua máquina, fotografando! Mas hoje ele vai ser meu personagem. Quem sabe não dá um perfil jornalístico, hein, amor?

Hmm, Fotografia!
Hmm, Fotografia!

– Sabe de uma coisa? Por que não ser de vanguarda? Precisamos disso amor! A comunicação precisa disso!

– Vanguarda?

– Me acompanha ali?

– Sempre!

Uma ducha no domingo, de grátis. Vale?
Uma ducha no domingo, na Praça, de grátis, com a namorada. Vale?