79 anos do Mercado Central / 1º Festival de Cachaça

Plural. E tem que dizer algo mais?

Matéria da PUC TV

Anúncios

O ato (pacto) social

Esqueçam as teorias sociológicas diante um atropelamento. Hoje presenciei um. Não fuI eu quem atropelou. Era quatro da tarde. O sol ainda quente. Uma senhora, balançando sua sacolinha, atravessa uma avenida sem nenhuma preocupação. Um carro prata, vêm também despreocupado. E… Pimba! A mulher para um lado, o carro para o outro. No chão, a atingida beijava o asfalto. Um momento de gritaria… Meu Deus do Céu! Morreu! Em poucos segundos, a multidão. Estava diante de um ato social: a curiosidade. Ao virar a esquina, a polícia, apressada, ia ver o acontecido. “Chamem o SAMU!” – Gritou o homem. “Eu tenho um celular” – Gritou uma menina. É o jeito brasileiro de ser: curiosos não, acolhedores e prestativos sim.

Atropelamento: Nem a Globo teve tanta audiência!

Des-Dengue-se.

Mutirão contra o mosquito da Dengue. É o que a Prefeitura de Belo Horizonte, a SLU e a Secretaria Municipal de Saúde realizam em diversas regionais de Belo Horizonte. Hoje acompanhei, em reportagem para a PUC TV, o Secretario de Saúde, Hélvecio Magalhães, em ruas do Bairro Universitário, na região da pampulha/norte. Ele me explicou que a campanha do combate a Dengue começou na semana passada, nas regiões leste e nordeste, onde foram registrados grande número de casos. Nessa campanha, cerca de 50 tonelada de entulho (e tudo que você possa imaginar!) foi recolhido das ruas da cidade das Alterosas.

Pelo que vi, grande parte da população tem consciência sobre o Aedes, mosquito transmissor da doença. “É lata, garrafa, e copo… pneus velhos e até a água parada no copo do meu remédio eu tomo rápido, para evitar a doença e o mosquito”, disse uma senhora, que varia o portão de sua casa.

Fica o recado para a população: Semana que vem, prevenção nas regionais centro-sul e noroeste de Belo Horizonte. Você anda fazendo sua parte?

Editorias no Jornalismo

RELATÓRIO DE FICHAMENTO

LIVRO: DEU NO JORNAL – O JORNALISMO IMPRESSO NA ERA DA INTERNET

TEXTO: EM CADA EDITORIA UM DESAFIO DIFERENTE

AUTOR: ERNESTO RODRIGUES

  • EDITORIA DE CIDADE = COMPROMISSO DE FALAR SOBRE UM ESPAÇO PÚBLICO COMPARTILHADO E A RESPEITO DE ASSUNTOS QUE, DE ALGUMA FORMA, INTERESSAM A TODOS. A EDITORIA DE CIDADES É A MAIS DEMOCRÁTICA DE TODAS E CONSTANTEMENTE SUBMETIDA A PRESSÕES DIRETAS DO LEITOR. É UM INSTRUMENTO DE DEFESA DA CIDADANIA E DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR/ELEITOR/CONTRIBUINTE PALAVRA-CHAVE = SERVIÇO. NECESSITA DE MUITA PRODUÇÃO/EQUIPE/EQUIPAMENTO

  • //// PARA O REPÓRTER DA EDITORIA DE CIDADE (REPÓRTER 24 HORAS): GRANDE CAPACIDADE INTELECTUALPARA TODO TIPO DE ABORDAGEM. TER CONHECIMENTO SOBRE O POTENCIAL DE AÇÃO OU DE MOBILIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FORMAIS E INFORMAIS DA CIDADE PARA FAZER UM BOM JORNALISMO COMUNITÁRIO. BOA NOÇÃO DE LESGISLAÇÃO DE MEIO AMBIENTE,OCUPAÇÃO E USO DO SOLO, GABARITO DE CONSTRUÇÕES, DIREITOS DO CONSUMIDOR E DO CONTRIBUINTE, DIREITOS HUMANOS, LIMITES DE RESPONSABILIDADE GOVERNAMENTAL, ARQUITETURA E URBANISMO, PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO E SAÚDE PÚBLICA (ESTAR BEM INFORMADO NESSAS ÁREAS É A GRANDE GARANTIA CONTRA A INSTRUMENTALIZAÇÃO)

  • REPORTAGEM POLICIAL: PILARES DO JORNALISMO. PRIORIDADE É A DESCRIÇÃO DAS CIRCUNSTÂNCIAS DO CRIME, DO DESASTRE OU DA TRAGÉDIA. O TEMA DISPENSA RECURSOS LITERÁRIOS. O TEXTO TEM DE SER DIRETO ENXUTO, CORTANTE E SUBSTANTIVO. AO REPÓRTER CABE O CUIDADO DE ADVOGADO NO MANUSEIO DAS INFORMAÇÕES E NA RELAÇÃO COM AS FONTES. AS PESSOAS SÃO INCOENTES ATÉ PROVA EM CONTRÁRIO. EXIGE BOA LOGÍSTICA DE APURAÇÃO. REPÓRTER DE POLICIA = CONTINUAR ATENTO E VIGILANTE EM RELAÇÃO À CORRUPÇÃO E À VIOLÊNCIA DA POLÍCIA NUMA SOCIEDADE CADA VEZ MAIS INTOLERANTE COM UM TRATAMENTO CIVILIZADO AOS BANDIDOS.

  • EDITORIA DE POLÍTICA = REPORTAGEM QUE FORMA OPINIÃO, AINDA QUE NÃO SEJA COLUNISTA/// REPÓRTER: REGISTRAR ATITUDES E OPINIÕES QUE SEJAM CAPAZES DE PROCESSAR AS INFORMAÇÕES E ANALISÁ-LAS EM CENÁRIOS CONJUNTURAIS DE CURTO, LONGO OU MÉDIO PRAZO.. OPINIÃO LEVA A ESCOLHAS PARTIDÁRIAS, A JULGAMENTOS TÉCNICOS OU ÉTICOS E A AÇÕES QUE, EM ÚLTIMA ANÁLISE, INFLUIRÃO NO DESTINO DE TODA SOCIEDADE. //// RESPONSABILIDADE DO REPÓRTER DA EDITORIA: PROJETAR NOVAS INFORMAÇÕES NO CENÁRIO POLÍTICO E ADMINISTRATIVO TENTANDO ANTECIPAR CONSEQUÊNCIAS OU DESDOBRAMENTOS QUE SEJAM DO INTERESSE DO CIDADÃO ELEITOR. CONHECIMENTOS: HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA, POLÍTICA, SOCIOLOGIA E ECONOMIA. IMPORTANTE!!! PACIÊNCIA, DISPOSIÇÃO E SENSIBILIDADE PARA CONQUISTAR AS DONTES E GARIMPAR INFORMAÇÕES EXCLUSIVAS SEM DEIXAR ENGANAR. EVITAR A CONFUSÃO ENTRE COLUNISMO E REPORTAGEM.

  • EDITORIA INTERNACIONAL: FATOS E FENÔMENOS OCORRIDOS FORA DO PAÍS. CAPACIDADE LIMITADA DE SENSIBILIZAR O LEITOR. IMPORTÂNCIA DO TEXTO E DO ENFOQUE, PARA PRENDER A ATENÇÃO DO LEITOR A FATOS, PESSOAS E LUGARES QUE ESTÃO MUITO DISTANTES DA REALIDADE DELE. TEXTO EXIGE MUITO MATERIAL DE APOIO, RETRANCAS ENCICLOPÉDICAS E ATÉ GLOSSÁRIOS QUE SITUEM O LEITOR. É CONSIDERADA A EDITORIA DOS REDATORES E TEM COMO DESAFIO A EDIÇÃO/HIERARQUIZAÇÃO CORRETA DOS TEMAS/DISCERNIMENTO SOBRE O QUE ESTÁ ACONTECENDO DE IMPORTANTE OU RELEVANTE NO MUNDO. O REPÓRTER DEVE TER UM TEXTO DE QUALIDADE BEM ACIMA DA MÉDIA EXIGIDA PELAS OUTRAS EDITORIAS. NÃO SER FIO CONDUTOR DOS INTERESSES IDEOLÓGICOS, ESTRATÉGICOS E POLÍTICOS DO MUNDO.

  • EDITORIA DE ESPORTES: OLHAR HUMANDO QUE NEHUMA CÂMERA ESPECIAL VAI SUBSTITUIR = CRÔNICA DO ESPORTE. O TEXTO DESSA EDITORIA PROLONGA O PRAZER OU A DOR. REPORTAGEM DE ESPORTE ALIMENTA PAIXÕES E ÓDIOS E LIDA COM INFORMAÇÕES E OPINIÕES QUE PODEM SER EXPLOSIVAS E ATÉ DETERMINANTES DE SITUAÇÕES DE RISCO PESSOAL, MORAL OU PSICOLÓGICO.HÁ FORTE FIDELIDADE DO LEITOR COM O JORNAL/ EXIGE ESPECIALIZAÇÃO, CONHECIMENTO DA HISTÓRIA, DAS REGRAS E DO FOLCLORE DO ESPORTE.

  • EDITORIA DE ECONOMIA: PARADOXO – ÁREA QUE NÃO DESPERTA DE MUITOS LEITORES A ATENÇÃO, A REPORTAGEM DE ECONOMIA REPERCUTE DE FORMA SISTEMÁTICA E CONTINUA NO MERCADO R NA SOCIEDADE. O REPÓRTER DEVE TER VISÃO CRÍTICA DA ÁREA E CONTEXTUALIZA E NÃO OPINA. TENDÊNCIA ATUAL: BUSCA DE UM PÚBLICO MAIS ABRANGENTE E ECLÉTICO, ATRAVÉS DE UM CONTEÚDO EDITORIAL MENOS COMPLEXO E MAIS ACESSÍVEL

Teatro de cebolas

Um encontro com amigos às 19h. Vamos conversar?

– As manutenções atualmente estão fracas. Não te contei, nos separamos. Talvez ela não é a pessoa ideal para mim. Somos diferentes…

– Meu nome foi pro SPC. (hahaha) E não, Só Pra Contrariar é o Serviço de Proteção ao Cliente. Gastei mais do que podia. As blusas e calças estavam em promoção. Não resisti, somos pós-modernos. Comprei e logo depois quebrei o cartão de crédito… I don’t care, disse.

– A cada dia que passa minha saúde alimentar vai mal. Mamãe briga para mim comer algo saudável. Je prèfere de temps en temps.

– E nossa monografia? Sábado é nosso próximo encontro, não temos nada. Vamos ver um filme e discutir sobre Kitsch, simulacro e coisas mais?

– Hoje acordei nada bem. Peguei o metrô às 7, por que o pneu do carro furou. Lata de sardinha é pouco. Quando é a próxima eleição para a prefeitura mesmo?

– Tekila? Eu prefiro é cachaça! Caipirinha, que tal? Não? apaputaqueteopariu!

– PARANGATICUMIRRUARO! ARACY BALABANIAN… BALBANIAN… BALABÃ.. BALBILIAN… BOLBAN… BOSTA… BUCETA!

– The Beatles eram de Liverpool? Viviam nadando um bocado de tempo? Me amarrota que tô passado!

– Eu adorava Aqui Agora… Você se lembra da Vânia Turce, Tom Paixão, Ronaldo ou Viviane Maia? Foi por causa deles que quis virar repórter!

– Quando vai vir a próxima cerveja? Garçom, me sirva um bife bem ACEBOLADO!